segunda-feira, 12 de novembro de 2018

Sinpro Macaé e Região apresenta contraproposta da Estácio de Sá para professores da instituição





Documento trata sobre abono, equalização de hora-aula, gratuidade e eleição de comissão paritária

           

O Sinpro Macaé e Região realiza amanhã, dia 13, às 16h30min, uma assembleia com os professores da Universidade Estácio de Sá. No encontro, que acontecerá na sede do Sindicato, será apresentada a Proposta Estadual de Acordo Específico feito pela universidade em relação a negociação salarial e de cláusulas sociais dos docentes, referentes ao Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) da categoria. 

Na Proposta Estadual de Acordo Específico estão descriminados o abono de 6%, a ser pago no salário referente ao mês de fevereiro de 2019; equalização da duração da hora da aula; gratuidade de ensino concedida aos professores integrantes do corpo docente, conforme descrição apresentada; homologações no sindicato; e a eleição de professores na Unesa para compor a comissão paritária. 

Está ainda na pauta da reunião a análise da minuta da Estácio de Sá (cláusulas mantidas e renovadas - ACT 2018-2019); deliberação e autorização prévia sobre contribuições sindicais, de natureza econômica autorizando o desconto em folha; deliberação quanto a instauração de Assembleia Geral Permanente abrangendo, em especial, as bases relacionadas no item 1, do presente edital, até a assinatura de Acordos Coletivos e Convenções Coletivas de Trabalho; bem como de autorizar a Diretoria do Sinpro Macaé e Região instaurar processo de Dissídio Coletivo.   

Vale lembrar que, inicialmente, o Sindicato realizou a assembleia no dia 23 de outubro para debater e discutir o reajuste salarial e a minuta proposta. A atual minuta apresentada foi encaminhada para os professores da instituição e publicada no blog do Sindicato (http://sinpromacae-regiao.blogspot.com/). 

O Sinpro Macaé e Região fica localizado na Rua Teixeira de Gouveia, 1169, sala 110, Centro, em Macaé.

sexta-feira, 9 de novembro de 2018

Sinpro indica: Inscrições para curso de cultura afro-brasileira prosseguem até o dia 23 de novembro

Programação terá início no dia 26 e é direcionada aos profissionais da educação da rede pública e privada


Começam nesta terça-feira (6) e se estendem até o dia 23 de novembro as inscrições para o curso "Ubuntu-história e cultura afro-brasileira". A programação terá início dia 26, no mês da Consciência Negra, e é direcionada aos profissionais da educação da rede pública e privada. Ao todo estão sendo oferecidas 100 vagas. Os interessados devem se inscrever no endereço eletrônico www.ntmmacae.com. O curso é gratuito e totalmente online. As aulas seguirão até o dia 1º de abril, data em que haverá entrega de certificados.

A programação acontecerá em quatro módulos e tem como objetivo oferecer conhecimentos quanto a abordagem da africanidade nas salas de aula, contribuindo com os educadores para trabalhar dentro do ambiente escolar, a promoção da igualdade racial a partir de atividades pedagógicas nas diversas áreas curriculares. A formação será desenvolvida pelo Núcleo de Tecnologia Municipal Educacional, em parceria com o programa de Cultura Afro- Brasileira e Indígena.

Serão abordados temas como "Implementação da Lei 10.639/03"; "História - resgate da África - a chegada do Negro no Brasil"; e "Identidade afro-brasileira na cidade de Macaé - resgate histórico - Carucango, Motta Coqueiro e Lyra dos Conspiradores". Também serão debatidos os assuntos preconceito, discriminação e racismo; repertório afro-brasileiro nas escolas e planos de ação pedagógica.

Sinpro indica: TVE exibe produções audiovisuais sobre combate ao racismo e promoção da igualdade étnico-racial




Cinema Negro será exibido às terças e quintas-feiras, às 22h15

Em parceria com a Mostra Itinerante de Cinema Negro - Mahomed Bamba, a TVE exibe em novembro curtas metragens de ficção, documentários, animações e obras experimentais, nacionais, produzidas por realizadores negros e negras ou sobre temáticas negras, como a diáspora e a ancestralidade. Os filmes do #NovembroNegro serão exibidos às terças e quintas-feiras, às 22h15, na TVE e no Portal.

Novembro, na TVE, é símbolo de resistência. Desde 2016, reconhecida como a emissora na Bahia da Década Afrodescendente, a TVE produz conteúdos voltados para os temas de combate ao racismo e promoção da igualdade étnico-racial.

Professores sindicalizados ao Sinpro Macaé e Região elegem chapa "“Resistir, lutar e avançar”

Nova diretoria e conselho fiscal foram eleitos com 95% de aceitação da categoria

Integrantes da nova diretoria são empenhados em defender a categoria


Após a apuração dos votos da eleição sindical do Sinpro Macaé e Região, está eleita para a gestão 2018-2021 a chapa “Resistir, lutar e avançar” , que teve 95% de aprovação da categoria. Os professores sindicalizados votaram entre os dias 6 e 7 de novembro. As urnas fixas foram instaladas em escolas com mais de dez sindicalizados e outras itinerantes passaram pelas outras instituições de ensino. 

Os votos foram recolhidos nas cidades onde o Sindicato possui a sua base de atuação: Macaé, Rio das Ostras, Casimiro de Abreu, Carapebus, Quissamã, Conceição de Macabu, Silva Jardim e Rio Bonito. A Comissão Eleitoral foi de responsabilidade das professoras Jussimere Pinheiro e Renata Fernandes.

A chapa eleita é composta pelos professores:  Guilhermina L da Rocha (Presidente),  Ivânia Ribeiro (Vice-Presidente), Cesar Gomes Araujo (Secretária Geral), Rosilene do Carmo Macedo Conceição (1º Tesouraria), Fabio  Silva da Rocha   (2º Tesouraria),  Jimena Gallegos Sepulveda (Diretoria de Educação e Cultura ), Leonardo Seabra Puglia (Diretoria de Comunicação). Já o Conselho Fiscal: Dulce Helena Nascimento Francisco, Catia Ferreira Fernandes Lei e  Paulo Sergio Pereira Neves. Enquanto a Federação ficou com Jean Cerqueira.

PLANO DE METAS - Na plataforma da próxima gestão, dez pontos estratégicos foram defendidos para aprimorar ainda mais os resultados e conquistas da categoria diante dos sindicatos patronais. O princípio fundamental é a correção justa dos salários, a manutenção e a ampliação das cláusulas sociais; elevação do valor da hora-aula e do piso da categoria; combate a meritocracia e a financeirização da educação.

De acordo com a nova presidenta, Guilhermina Rocha, o desafio é manter as vitórias para assim preservar a dignidade de toda categoria. "Depois do golpe, passamos a viver um cenário de retrocessos com consequência desastrosas para o nosso País, principalmente, com a Reforma Trabalhista, e terceirização irrestrita e, mais recentemente, com o anúncio de que o Ministério do Trabalho será extinto pelo próximo presidente. Se não fizermos uma resistência neste momento seremos ainda mais penalizados. Vamos lutar para avançar nos direitos sociais e econômicos e não perdê-los", ressaltou.

Estão ainda a reestruturação e modernização do setor jurídico para atender as novas demandas da categoria; implantação do orçamento participativo e de campanhas permanentes para ampliar os recursos disponíveis para execução de ações voltadas para o movimento; cobrança mais contundente dos sindicatos patronais para a solução de problemas de saúde do professor, através de melhores condições de trabalho; e formação de parcerias e convênios, inclusive com universidades, para a formação continuada dos professores. Luta igualitária para em relação aos direitos daqueles que estão na ativa e os aposentados.

Além disso, a nova gestão focará na comunicação para ampliar os canais transferência de informação aos professores, inclusive nos locais de trabalho. Para isso, serão utilizadas as formas digitais e àquelas tradicionais.